16 de janeiro de 2012

Sonhar em segredo

O livro Os famosos e os duendes da morte, de Ismael Canepelle que deu origem ao filme de mesmo nome dirigido por Esmir Filho é um mergulho na alma de um adolescente no interior do Rio Grande do Sul, o filme narrado em primeira pessoa, com o foco narrativo - segundo Norma Friedman - eu-protagonista, nos mostra a sensibilidade de uma mente um tanto quanto depressiva, seus conflitos, sua construção identitária, sua vida...é um retrato da alma do protagonista que não é nomeado. O filme não fica atrás, com uma poética interessante, é um "cinema sensorial" como diz Esmir Filho em uma de suas entrevistas; realmente é difícil não sentir a dor do personagem, não mergulhar fundo no seu dia-a-dia e muito mais que isso, sentir o que ele sente. Nunca vi um filme brasileiro com tamanha sensibilidade. Minha intensão aqui não é fazer uma resenha do filme ou do livro e sim falar um pouco do que eu senti em um dos filmes que mais marcaram minha vida.
Se identificar com o trio de personagens principal é fácil, mas entendê-los e senti-los é uma tarefa para poucos. A ponte tem um significado especial para eles, e acaba se tornando algo especial para nós também, ela vem a ser como uma protagonista do livro, parece que tudo gira em torno dela e é nela que vidas são decididas. Os famosos e os duendes da morte é um mergulho dentro de nós mesmos, e até onde a ponte pode ser uma ameaça ou uma salvação para nós, ela pode configurar vários aspectos em nossas vidas.
É um livro que vale a pena ser lido, um filme que vale a pena ser assistido.
E que somente pessoas sensíveis são capazes de entender a poética em suas páginas e imagens.
Ao som de Bob Dylan e Nelo Johann nos leva para dentro de nós mesmos.









Fragmentos de "Os famosos e os duendes da morte", livro de Ismael Canepelle e filme de Esmir Filho

"Naquela cidade, cada um sonhava em segredo, o menino sem nome conheceu a garota sem pernas, ela não tinha pernas, mas mesmo assim não precisava de ninguém para ir embora"

"A tua boca se abrindo era o meu sorriso querendo surgir. Os teus olhos chorando eram as minhas vontades que um dia tu também sentiu"

"Segurando forte na tua mão sem entender que todas as vidas são solitárias"

"Sem nunca saber que nossos olhos carregavam as mesmas lágrimas, as nossas mãos traziam as mesmas despedidas"

"Sem saber que a pior do é a dos que voltam. E a dos que ficam. A dor do que não tentaram e não conseguiram"

Nenhum comentário:

Leia também

Related Posts with Thumbnails